1. melancolico-ironico:

    Como posso sentir tanta saudade assim se acabei de me despedir de você?

    Fico aqui na companhia dos meus pensamentos paradoxais e insanos, só pra não ter que lembrar da tua ausência. E mesmo assim não é o suficiente.

    No final de tudo eu vejo que não é da saudade que eu me embebedo, e sim do medo, medo da despedida ser eterna.

    Reblogged from: melancolico-ironico
  2. Preciso me encontrar

    melancolico-ironico:

    Não estou exatamente perdido, nem fora de mim
    Só ando distraído imaginando como você está
    Imaginando tua boca rosada e a curva do teu lábio superior
    Teus olhos castanhos olhando pros meus
    Tua risada debochada quando eu falo algo sério
    Tua gargalhada que precede o esporro quando te faço cócegas

    A…

    Reblogged from: melancolico-ironico
  3. Sometimes we kinda felt in love with someone we’ll never meet. This platonic feeling is the most beautiful one, isn’t it? You’ll probably never talk with this person, or even see her personaly. But everytime you look into those eyes, on the computer, on the phone, whatever, you feel like you could be happy with her, This is amazing. Such an amazing feel that brings humanity into us.

  4. Reblogged from: sweet-jennifer-lawrence
  5. Tá passando, tipo, agora na Warner

    Tá passando, tipo, agora na Warner

    Reblogged from: blues-dapiedade
  6. Eu já avisei que não sou de insistir. Sinto falta sim. Sinto saudade sim. Dói-me o peito, mas não insisto. Sofro sim, por me achar fraco a ponto de sucumbir ao desejo - ingrato desejo - de ignorar e tentar viver sem alguém. Sofro por viver na dúvida, - mesmo que desnecessária devida a certeza da resposta - se vou conseguir superar. Afinal, a gente sempre supera. A gente sempre segue em frente. A gente é gente. E é isso que gente faz. Gente vive.

  7. Não é um conselho alegre, mas vai passar. A voz embargada pela emoção, o tremelique no queixo, as pernas balançando com intranquilidade por debaixo da mesa. Vai passar. Os olhos marejando a saudade, a empatia pela fraqueza, o corpo lutando pra saber o que restará em pé, as frases um pouco mais longas sempre cortadas por um calafrio. Vai passar. A impressão de que se arrebentará chorando. Os trovões percorrendo por todo o corpo dividido. Metade sentindo-se traída e a parte traidora sentindo-se culpada por tudo. Vai passar. Acordarás cinco vezes por noite. Consultarás as cartas, os búzios, a religião e o relógio a cada duas horas até amanhecer. Teu inverno demorará no escuro, teu verão demorará na luz. As garrafas estarão lá, ao lado da porta. As cinzas, dançando por ai. As tuas vão junto. Esquecerás a cafeteira destrancada, a porta ligada, o caminho de volta pra casa. Desesperarás ao ter de suportar a própria companhia no vazio do elevador. Vai passar. As lembranças daquele número de sapatos, do peso, dos ternos, dos sonhos, dos fracassos, se evaporarão como o rio que se transforma em água que se transforma em chuva que se transforma em rio. O calendário naquela mesma folha de fevereiro. E a vida acontecendo como uma festa ruim da qual não se pode ir embora por depender de carona. Vai passar. A dor que se tornara do tamanho do esforço pra esquecer ou então acreditar que nada disso realmente existiu. Vai passar. Esses amontoados de restos e entulhos que a gente sempre demora pra limpar e foram estocados no lugar mais alto, desabando de repente sobre a cabeça. Vai passar. A garganta magoada pelo choro engolido, com a vontade da desistência. As alegrias não são mais como deveriam. As tristezas não são mais como deveriam. Não saber quando nem onde lateja as feridas é o que dói mais. O riso também será pela metade. Vai passar. Falarás pra todos que ele era um canalha. Gritarás paras vizinhas do outro lado da rua ouvirem que ele era um imbecil. Convencerás as amigas de que ele não presta, era desleal e que tá bem melhor assim, obrigada. O chamarás de filho-da-puta. Chorarás perdida por entre as madrugadas, quando a verdade for bem maior que a tua vontade de mentir. Quem foge do dor, perde. Quem mergulha na fragilidade, perde. Vai passar. As memórias em pedaços. Cortinas cerradas. A pele gritando por um abrigo. Vai passar. As esperanças guardadas na cabeceira da cama. As gavetas das meias um pouco mais vazias. Terás mais desesperos do que roupas pra vestir em teus cabides. Vai passar. Arriscarás alguns absurdos para aceitar que tomara a atitude adequada. Repetirás crueldades para se tranquilizar e se convencer de que esteve certa. Terás todos os motivos, razões e lógicas pra justificar a ausência. As explicações não dando conta de todo o mistério. Vai passar. Talvez se arrependa e volte atrás umas duas ou três vezes. Mas será só isso. A incompreensão será teu complexo de inferioridade. A saudade será tua neurose obsessiva. Formarão um enigma. Vai passar. Adquirirás novos hábitos. Colecionarás solas de sol, sonhos sem sentidos. Silêncios. Soluços. Vai passar. Cavarás a terra por dentro da terra. Serás a lagarta encasulada que não quis virar mariposa colorida pra não perder a compostura. Talvez até arrisque a fumar. Mas vai logo passar. Mesmo que não queiras, vai passar. Não adianta se opor a extinção. O amor vai morrer faminto por absoluta falta de cuidado. As lembranças serão deserdadas, parte das fotos em antigos porta-retratos sumirão de repente, as cartas serão excluídas dos rascunhos. O telefone sairá do mudo. Vai passar. Se abrirá novamente ao amor. O sentimentalismo no plexo frontal da memória. Se as coisas não aconteceram é porque não aconteceram. Pura pretensão sua acreditar que se fechou, que pode decidir quando e como dirigir sua vida. A sede arde, mas não seca. Vai passar. Tu passeias ao som de passarinhos. Vai passar, infelizmente. Tudo o que sonhou construir juntos vai passar. Tudo o que idealizou, amou, inventou e armou vai passar. O lugar quente no peito que recebia o rosto para dormir vai passar. Os apelidos, pedidos, piadas vão passar. Vai passar. Não lutaram contra o mundo, não superaram os medos do desconhecido, sucumbiram na terceira crise, desistiram de insistir. Foram fracos, foram influenciáveis, incompetentes, infantis, foram tolos. Foi muita pequenez de ambas as partes. Foram muito menores do que aquilo que vivenciaram juntos. Não serão inesquecíveis, impenetráveis, invencíveis. Vai passar.
    Michael Letto. (via iliterar)
    Reblogged from: eternalizar
  8. Pra começar
    a colorir
    algum lugar
    que seja aqui
    com um balão só
    já da pra voar.
    Pra começar
    a descobrir
    o que é chegar
    e o que é partir
    o coração só
    precisa de ar
    E deixar.
    Cícero. (via chaodefolhas)
    Reblogged from: eternalizar
  9. johnfrusciante:

    John Frusciante - “Anne”

    Reblogged from: blood-sugar-baby
  10. Hugh Laurie - a guidebook (insp x)

    HE’S AWESOME, ISN’T HE?

    Reblogged from: aaronmpaul
Next

Paper theme built by Thomas